Rafael Barros

Pai terá 40% do auxílio emergencial penhorado para pensão alimentícia

post site

Fonte da matéria: Portal Migalhas  Leia o conteúdo original aqui

 

O juiz de Direito Ronaldo Guaranha Merighi, da 2ª vara de Família e Sucessões de São José do Rio Preto/SP, determinou em liminar a penhora de 40% do auxílio emergencial para o pagamento de pensão alimentícia.

O magistrado verificou que o valor do débito alimentar corresponde a mais de 50% do salário do pai, montante vedado pelo CPC.

“Nos termos do que dispõe o §3º, do art.529, CPC, o débito alimentar objeto de execução pode ser descontado dos rendimentos do executado, de forma parcelada, contanto que, somado à parcela devida, não ultrapasse cinquenta por cento de seus ganhos líquidos.”

O auxílio emergencial é um benefício financeiro destinado aos trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos e desempregados, e tem por objetivo fornecer proteção emergencial no período de enfrentamento à crise causada pela pandemia do coronavírus, no valor de R$ 600 reais.

Na ação, o juiz verificou que o valor da pensão alimentícia devida pelo executado ao filho corresponde à quantia equivalente a 51,52% do salário mínimo nacional vigente.

Assim, visando respeitar o limite legal, o juiz determinou “a penhora de tão somente 40% do “auxílio emergencial” concedido pelo Governo Federal no período de enfrentamento à pandemia do Coronavírus (R$ 600,00)”.

O advogado Luis Otávio Moraes Monteiro, do escritório Moraes Monteiro Advocacia, atuou no caso.

  • Processo: 0027185-07.2018.8.26.0576

O caso tramita sob segredo de justiça.

Compartilhe essa notícia em suas redes sociais!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email